Catedral Sagrado Coração de Jesus - Porto Velho.  Sua pedra fundamental foi lançada no dia 3 de maio de 1917.

“Venham brasileiros de todos os cantos do Brasil! Venham pessoas de todas as partes! Rondônia lhes oferece trabalho, solidariedade e respeito! Tragam seus sonhos, anseios e ilusões! Compartilhem de tudo isso com este povo admirável. Assumam como ele os problemas e as dificuldades naturais de sua trajetória em busca do grande destino do Brasil”. Este convite faz parte do discurso proferido por Jorge Teixeira de Oliveira no dia 4 de janeiro de 1982, ocasião em que foi instalado o Estado de Rondônia, de acordo com os registros do historiador e professor Aleks Palitot

Comemora-se hoje 33 anos de instalação do 23º Estado do Brasil – Rondônia. Por que 4 de janeiro? “Porque nesse momento, nesse dia, houve um envolvimento maior por parte da população. Jorge Teixeira, o então ministro Andreazza e várias autoridades políticas estavam presentes à solenidade; a própria população lotou o entorno do palácio Presidente Vargas, a praça, a avenida Presidente Dutra, a antiga Esplanada das Secretarias, o antigo hotel Porto Velho estavam lotados de pessoas e muitos estavam pendurados para ouvir o discurso do grande Teixeirão. O 4 de janeiro reflete esse envolvimento da população; uma sensação de pertencimento daquele momento histórico. Todos se encontravam para ouvir o discurso, quando Jorge Teixeira toma posse como o primeiro governador de Rondônia. O discurso foi marcante emocionou a muitos”, narra o historiador.

Coronel Jorge Teixeira chegando em Porto Velho, foi o primeiro governador do Estado

GRANDE MOSAICO CULTURAL

A data foi oficializada pelo Decreto-Lei número 39 de 31 de dezembro de 1982, assinado pelo então governador Jorge Teixeira de Oliveira. Hoje os rondonienses comemoram mais um aniversário como a 27ª Unidade Federativa do Brasil. Entretanto, somente em abril de 2010, por força da Lei número 2291 foi declarada como data magna e feriado civil estadual, pelo governador João Aparecido Cahulla, colocando um ponto final nas discussões que aludiam a erros históricos. Para o professor Palitot, há muito o que se comemorar nesta data. Segundo ele, na trajetória que levou à criação do Estado de Rondônia, deve-se considerar a multiplicidade de valores culturais que somados constituem um perfil singular à nossa região, transformando-a num “grande mosaico cultural”. “Se o mundo se encontra em São Paulo, o Brasil se encontra em Rondônia”, alega.

Segundo o historiador e professor Aleks Palitot, Rondônia é um lugar de riquezas variadas. “Rondônia é um Estado novo, com fortes traços indígenas e diversas influências culturais que, ao longo do tempo, formou uma cultura única, miscigenada, como em nenhum outro local. Essa expressão cultural do Estado está presente na rica gastronomia, no folclore, na beleza do artesanato e na intrigante medicina popular – a cura com remédios naturais”, diz.
No que diz respeito ao folclore o historiador aponta que é um mundo fascinante de lendas e mitos tradicionais da Amazônia. “Um mundo povoado por botos que “dançam em festas” e “ emprenham” donzelas; por Iaras que “seduzem” os homens e os levam para seus “reinos encantados”; pela “Cobra-grande”, pelo “Curupira”, pela “Caapora” e pela “Matintapeira”. A quadrilha Flor do Maracujá, em Porto Velho, e o Festival Folclórico da Pérola do Mamoré, em Guajará-Mirim, são manifestações populares singulares, de expressão coreográfica, plástica e artística inigualáveis. Além desse folclore, comum à Amazônia, o imaginário popular também contempla as lendas originadas da construção do Real Forte Príncipe da Beira e das originadas do ‘Sonho do Eldorado’”, expõe Palitot.

TERCEIRO ESTADO MAIS POPULOSO DA REGIÃO NORTE, SEGUNDO O IBEG 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rondônia é o terceiro Estado mais populoso da Região Norte, com seus 1.748.531 habitantes em 2014, sendo superado apenas pelo Pará e Amazonas. Apenas três municípios possuem população acima de 100 mil habitantes: Porto Velho – que é a Capital com cerca de 494 mil habitantes; Ji-Paraná com aproximadamente 130 mil habitantes; e Ariquemes com 102 mil habitantes. As pesquisas indicam que a população rondoniense é uma das mais diversificadas do país, composta por goianos, paranaenses, paulistas, mineiros, gaúchos, capixabas e nordestinos de vários Estados que para cá vieram durante o Ciclo da Borracha – fixando-se principalmente em cidades do interior.

Mercado Municipal e ao fundo Palácio Presidente Vargas – 1955

ESTADO MAIS RICO DA REGIÃO NORTE

“As pessoas se incomodam muito sobre a questão de que Rondônia não tem um prato típico, uma dança típica, uma fala típica, uma música típica; enfim, há aqui uma mistura de características físicas e culturais que dão um charme especial ao nosso povo. Espera-se o dia em que a cultura de Rondônia se unifique. E quando isso vai acontecer? Quando o gaúcho tomar o seu chimarrão numa cuia de tacacá e um caboclo tomar o seu tacacá numa cuia de chimarrão. É bom lembrar também que neste dia 1º de 2015 fizemos 100 anos de inauguração das Linhas Telegráficas de Rondon – um ponto culminante no que tange à comunicação e à informação em Rondônia. Foi um momento épico quando Marechal rondon discursou, ali em Santo Antônio, onde hoje tem a igrejinha e também há um marco divisório construído por membros que faziam parte da comissão de Rondon, dividindo o Mato Grosso e o Amazonas. São 100 anos de história”, aduz Palitot.

Apesar de ser um estado jovem – com apenas 33 anos – Rondônia possui o terceiro melhor Índice de Desenvolvimento Humano; o segundo maior PIB per capita; a segunda menor taxa de mortalidade infantil; e a terceira menor taxa de analfabetismo entre os estados das regiões Norte e Nordeste do Brasil. Constata-se ainda que o Estado apresenta a menor incidência de pobreza e o melhor desempenho na avaliação do PISA-2009, considerando-se também os estados dessas mesmas regiões; também é qualificado como a quarta melhor distribuição de renda de todo o país, sendo o melhor, excetuando-se a região Sul. Outra característica destacada pelos economistas é que Rondônia é o Estado mais rico da Região Norte, responsável por 11,7% do PIB da região. Detém ainda a maior porcentagem de evangélicos do Brasil.